segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Suzanne

.


Suzanne é a forma francesa do nome Susana, que também pode ser grafado como Suzane ou Susanne. Esse nome aparece na Bíblia hebraica na forma “Shoshannah”, sendo que o termo hebraico shoshan ou shoushan significa “flor de lírio” ou ainda, a rosa, no sentido que corresponde aos nomes femininos Liliana ou Rose.

Alguns acreditam que a origem do nome venha Shoushan, como chamavam a cidade de Susa (em persa, Shoush), então Susana designaria uma pessoa nascida em Susa. O equivalente árabe do nome é Sawsan (Saoussane). É provável que o termo derive do antigo Egito, onde SSN significava lótus, ou mais especificamente, o lírio azul (que se reflete com o termo “nenúfar”, “lírio sagrado” ou “lírio egípcio”).

Na Bíblia, Susana (dependendo da tradução) era uma discípula e seguidora de Jesus, companheira dos apóstolos. A história da Susana bíblica pode ser lida no seguinte parágrafo, retirado literalmente da Wikipédia portuguesa:

A história conta que uma bela esposa judia chamada Susana é acusada falsamente por libidinosos observadores escondidos (voyeur). Enquanto ela se banha no jardim e tendo mandado embora suas damas-de-companhia, dois dos anciãos secretamente observam a adorável Susana. Quando ela está voltando pra casa, eles a pressionam e ameaçam alegar que ela estaria se encontrando com um jovem no jardim caso ela não concorde em entregar-se a eles. Ela se recusa a ser chantageada, é presa e está prestes a ser executada por promiscuidade quando um jovem chamado Daniel interrompe o julgamento, gritando que os dois anciãos deveriam ser questionados para prevenir a morte de uma inocente. Após serem separados, os dois homens foram questionados em detalhes do que viram, mas acabaram discordando sobre qual a árvore sob cuja sombra Susana teria se encontrado com seu amante. No texto grego, os nomes das árvores citadas pelos anciãos foram trocadilhos com a sentença dada por Daniel. O primeiro diz que ela estava sob uma almécega [a] (υπο σχινον, hupo schinon), e Daniel diz que um anjo está pronto para cortá-lo (σχισει, schisei) em dois. O segundo diz que eles estavam sob um carvalho (υπο πρινον, hupo prinon), Daniel diz que um anjo está pronto para serrá-lo (πρισαι, prisai) em dois. A grande diferença de tamanho entre a almécega e o carvalho torna a mentira dos anciãos óbvia para todos os observadores. Ambos são então executados e a virtude triunfou. Os trocadilhos gregos no texto já foram citados por alguns autores como prova de que eles nunca existiram em hebraico e nem em aramaico, mas outros pesquisadores sugeriram pares de palavras para árvore e verbos de corte que soam parecidas o suficiente para supor que elas poderiam ter sido usadas no original.

Em São Paulo, foram 4 registros do nome Suzanne, nessa grafia (Arpen/SP) no ano de 2015. Mas tivemos ainda 3 Suzane, 1 Susanne, 1 Susane, totalizando (foneticamente) 9 registros.

Nos Estados Unidos, Suzanne esteve dentro do top 100 de 1943 até 1973, ou seja, por 30 anos, mas aparece pela última vez no ranking de 1999 na 948ª posição. No Canadá, sua última aparição no ranking se deu em 1980, na Inglaterra em 1997, na Suécia em 1955.

Enquanto isso na França continua aparecendo razoavelmente bem posicionado no ranking de 2010, na 232ª posição. Na Holanda, aparece no ranking de 2014 no 397º lugar. Esses posicionamentos em rankings de nomes mais registrados de vários países nos mostra que Suzanne é um nome bastante internacional. Uma criança nascida brasileira que no futuro viesse a morar em qualquer país de língua francesa, latina ou anglófona não teria problemas com pronúncia e escrita do seu nome.

Pessoalmente, acho Suzanne um nome muito charmoso, incomum e original para os dias de hoje no Brasil. O nome teve mais expressão na década de 60, 70 e 80, mas acredito que não tenha ficado marcado como um nome datado e ultrapassado, e sim, como um vintage a ser recuperado. Ainda prefiro a grafia Suzana/Susana, mas acho Suzanne muito válido.

O nome ficou um pouco marcado por causa do caso de Suzane Von Richtoffen, mentora do assassinato dos pais em meados do ano de 2002. O caso teve repercussão nacional, e a mandante do crime continua presa na penitenciária de Tremembé. Para quem tem medo da associação negativa que pode causar, principalmente para pessoas que vivem mais próximo de São Paulo, então o nome é desaconselhado. Mas, um nome não é propriedade de uma única pessoa, e existem milhões de Suzanne’s que são ótimas pessoas, logo, o nome não pode ficar estragado por apenas uma delas.

Referências:

Suzanne Lilar, dramaturga, ensaísta e romancista belga.  
Suzanne Collins, escritora americana famosa pela autoria da trilogia Jogos Vorazes.
Suzanne Nadine Veja, cantora e compositora americana.
Suzanne Valadon, pintora francesa.
Suzanne Flon, atriz francesa.


Suzanne também é o título e tema de uma música de Leonard Cohen (leia a tradução aqui):

Suzanne

Suzanne takes you down to her place near the river
You can hear the boats go by
You can spend the night beside her
And you know that she's half crazy
But that's why you want to be there
And she feeds you tea and oranges
That come all the way from China
And just when you mean to tell her
That you have no love to give her
Then she gets you on her wavelength
And she lets the river answer
That you've always been her lover
And you want to travel with her
And you want to travel blind
And you know that she will trust you
For you've touched her perfect body
With your mind

And Jesus was a sailor
When he walked upon the water
And he spent a long time watching
From his lonely wooden tower
And when he knew for certain
Only drowning men could see him
He said "All men will be sailors then
Until the sea shall free them"
But he himself was broken
Long before the sky would open
Forsaken, almost human
He sank beneath your wisdom like a stone
And you want to travel with him
And you want to travel blind
And you think maybe you'll trust him
For he's touched your perfect body
With his mind

Now Suzanne takes your hand
And she leads you to the river
She is wearing rags and feathers
From Salvation Army counters
And the sun pours down like honey
On our lady of the harbour
And she shows you where to look
Among the garbage and the flowers
There are heroes in the seaweed
There are children in the morning
They are leaning out for love
And they will lean that way forever
While Suzanne holds the mirror
And you want to travel with her
And you want to travel blind
And you know that you can trust her
For she's touched your perfect body

With her mind




.