sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Inaiê




Depois de escrever sobre uma penca de nomes indígenas cujo significado é duvidoso e sem nenhum registro em nenhuma lista disponível dos últimos anos, vou finalmente poder quebrar esse padrão.

Inaiê, um nome feminino de origem indígena, provavelmente tupi-guarani, obteve gloriosos 4 registros na lista da Arpen/SP de 2015. Além disso, contamos com uma mocinha nascida Inayê e outra Ynaiê. Desconsiderando, portanto, a grafia, e prestando atenção unicamente na fonética, temos seis famílias que receberam pequenas Inaiês em suas casas ao longo do ano passado.

Em tempos de Maitê e outros nomes mais inventadinhos como Mariê e Juliê, acredito que Inaiê pode agradar muitos ouvidos. O significado desse nome é um bônus inigualável: “águia solitária”.

Inaiê também é um epíteto – ou um outro nome dado – à Iemanjá, originado no tupi ina’ye (transliterado pra Inajé), termo regional usado na amazônia para designar o gavião-carijó (Rupornis Magnirostris), cujo nome significaria, originalmente, “solitário”. Os epítetos – ou qualidades – geralmente tem a ver com a vida do orixá, a profundeza das águas onde Iemanjá mora, uma característica de sua personalidade.

Outra interpretação para Inaiê ser um epíteto de Iemanjá (Deusa da nação de Egbé, nação esta Iorubá onde existe o rio Yemojá (Yemanjá). No Brasil, rainha das águas e mares), é que uma “águia solitária” é aquela que “reina única”. A título de curiosidade, outras “qualidades” de Iemanjás seriam: Iemowo, Iamassê, Iewa, Olossa, Ogunté assabá, Assessu, Sobá, Tuman, Ataramogba, Masemale, Awoió, Kayala, Marabô, Aynu, Susure, Iyaku, Acurá, Maialeuó, Conlá.

Segundo a ferramenta Nomes no Brasil do IBGE, baseada no Censo 2010, Inaiê é o nome de 305 pessoas em todo o Brasil - ou seja, é raro - e todos foram registrados entre os anos 80 e 2000, com destaque maior para os anos 90. O estado onde Inaiê é mais frequente é Santa Catarina. Já Ynaiê tem menos representantes, apenas 46, todas registradas nos anos 2000. 

Uma referência encontrada é a jornalista Ynaiê Botelho, que trabalha no G1, o Portal de Notícias da Rede Globo, e ainda, a fotógrafa Ynaiê Dawson, que é formada em fotografia pela Unesa-RJ e atualmente reside e trabalha em Lisboa, Portugal. 




.