segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Mudar ou não mudar o nome em caso de adoção?

Angelina Jolie optou por não mudar o nome dos filhos adotivos.



Falar da escolha de nomes é um assunto muito complexo. Desde que começamos a pensar em ter filhos falamos em nomes que gostamos, fazemos listas, refazemos listas, os filhos de familiares e amigos vão chegando antes que os nossos e colocando os nomes antes da gente, mudamos de opinião com o passar do tempo, e por aí vai!

Falar da escolha de nomes nos casos da maternidade e paternidade através da adoção é mais complexo ainda. A criança que vamos adotar certamente virá com um nome já escolhido pela família biológica ou pela equipe do hospital do nascimento da criança. Raras exceções de bebês recém-nascidos que ainda não tem um nome.

Abrindo mão da escolha do nome

É comum que mesmo as famílias gestantes do coração façam listas com nomes. Isso faz parte do processo gestacional. Faz parte da expectativa pela chegada do filho. E faz parte da formação deste filho dentro de nós. Trabalhamos internamente com esta possibilidade de termos que abrir mão da escolha do nome para dar e receber amor incondicional ao nosso filho que chegará.

Caso você adote uma criança menor de 1 (um) ano, é muito provável que você possa escolher, a equipe técnica informará. Todavia não é aconselhável a alteração de nome após 1 (um) ano de idade, pois a criança já se reconhece por este nome. E, caso seja um bebê mas você esteja adotando irmãos, o mais velho provavelmente já conhece este irmão bebê pelo nome, então é um caso a ser avaliado pela família e equipe técnica em conjunto.

Como decidi adaptar o nome do meu filho

Recentemente passei por essa situação. Meu filho chegou com 1 ano e 6 meses, e logo que nasceu já foi para o abrigo. Provavelmente no hospital mesmo a equipe tenha decidido colocar o nome dele de Lucas. Em casos como o dele é bem provável que os funcionários do hospital ou da vara da infância escolham nomes mais “comuns” ou nomes da moda, pois eles já sabem que a criança será encaminhada para a adoção e estes nomes serão mais facilmente aceitos.

Meu filho já se conhecia por Lucas. QUASE coloquei o nome do meu primeiro filho de LUCAS! Foi por muito pouco que decidimos por NOAH. Queríamos nomes bíblicos e Lucas era um dos primeiros da lista. Enfim, Deus colocou no nosso coração que o Noah se chamaria Noah, um nome comum nos EUA e Austrália que significa Noé em inglês e nós amamos! Certamente Deus já sabia da chegada do Luca, mas nós não! Não temos nenhum outro Lucas na família, mas preferimos adaptar o nome dele para Luca, que é a grafia no italiano. Achamos que combinou mais com nome curto do irmão. Noah & Luca. Não consigo imaginar eles com outro nome! A-M-O!

Nos casos como o do meu filho em que não é aconselhável mudar o nome, pode acontecer de já ter uma criança na família com o mesmo nome, ou pode ser que você realmente não goste do nome, então pense em acrescentar um segundo nome para diferenciar e pouco a pouco passe a chamar pelo novo nome ou invente um apelido carinhoso. Outra opção é adaptar como eu fiz ou talvez escolher algum com sonoridade parecida por exemplo Lara e Sara. Sei que nos casos de crianças mais velhas ou adolescentes, acontece deles decidirem que querem um novo nome. Aquela máxima de vida nova, tudo novo, inclusive o nome. Lógico que qualquer decisão sobre a identidade da criança/adolescente passará pela aprovação da equipe técnica que acompanha o caso.

Enfim, seja qual for o nome dos nossos filhos, precisamos fazer este exercício prévio de aceitação da criança/adolescente incondicionalmente, inclusive do seu NOME, seja ele qual for. Reflita sobre isso, é importante essa preparação!

Beijos com carinho,

Luciane





.